quarta-feira, 18 de junho de 2014

Tempo

Olá a todos. Estou meio sumido daqui, mas a falta de criatividade atinge a tudo e a todos. Mas estou aqui, firme e forte, tentando escrever algo. Não reduzi a zero minhas escritas esses dias, mas a perto disso. Queria aqui colocar um poema, um conto, mas nada que interesse vocês. Mas isso faz me lembrar de algo que gostaria de falar aqui. O que vocês acham do tempo?

O Tempo. Aquela noção vaga que nós temos. Tempo tempo mano velho. O que é o tempo, meus caros leitores? A roda mágica do tempo tempo tempo, o tempo é chato, o tempo é algo fugaz. Se eu for acreditar, eu acredito no tempo como uma névoa que nunca se esvai. Algo espaçado, que não podemos ver direito para trás, nem para frente. O passado é apenas uma lembrança que construímos, e modelamos do nosso jeito, assim como o futuro. Apenas o presente, o aqui, o agora, é real. Não devemos nos julgar por algo do passado, pois agora vemos ele turvo, como algo ruim que fizemos. E mesmo que seja algo ruim

O que quero dizer? Você pode ter sido a Madre Teresa no passado, mas após um tempo, você moldará apenas o que você quer, tanto de você, como dos outros. E você tem uma visão deturpada. E o futuro ninguém prevê, logo. A névoa. Eu demorei anos para entender essa névoa e não me culpar, mas é a vida. Esse tempo maroto. Não é algo complexo, mas é o que penso. Ficar de pé, acender um cigarro, tomar um gin, e olhar para a névoa, e esperar que ela esvaia. Esperar. Esperar. Esperar.


LMN, Droog's Sentence: "Protège-moi de mes désirs."

Um comentário:

Juliana Trombini disse...

Cade o botão de Like?